O Sinistro

por Manuel Baptista*

O Secretário de Estado, Valter Lemos - em plena Assembleia da República, no dia 10/03/06 - recorre à falsidade e à calúnia como "argumentos" a favor do encerramento da Esc. Secundária D. João de Castro.

A verdade é que esta Escola é um perigo para o poder neo-liberal, colorido de rosa shocking!

Uma escola onde há democracia participativa, onde as pessoas têm realmente liberdade de se exprimirem -sejam alunos, profs. ou funcionários- onde o ensino é levado a sério (até segundo os critérios deles! No célebre "ranking" ... 24º lugar a nível nacional!!!)

O Secretário de Estado argumentou na sexta feira perante a pergunta de um deputado (do PCP) que um dos motivos para o encerramento da D. João era os "alunos não se inscreverem nessa escola", facto que é apenas atribuível ao próprio governo.

Pois muitos encarregados de educação tinham, há dois anos, o desejo de inscrever os seus filhos na nossa D. João, mas a tutela encerrou as matrículas dos 7º anos.

Toda a gente sabe que será impossível encarregados de educação colocarem os seus filhos numa escola a meio de um ciclo (neste caso, do 3º).

Pelo que, ao ser proibida a abertura dos 7º anos (há dois anos atrás) estava-se (o governo PSD de então) a ditar uma sentença de morte a prazo da D. João.

Os "socialistas" executam a sentença e ainda têm a desvergonha de encherem a boca com mentiras, como a de que a nossa escola "terá difamado a Esc. Sec. Fonseca Benevides", acusação passível de um processo criminal, de que apenas alguém revestido de imunidade (ilegítima, pois não há imunidade para caluniar) pode atrever-se!

As escolas ameaçadas de fecho só no Conselho Lisboa seriam sete, segundo colegas geralmente bem informadas. Porém, estas escolas e outras, estão muito quietas e caladas a ver se passam despercebidas, parece-me!

Em vez disso, deveriam fazer coro com a Esc. Sec. D. João de Castro.

A única hipótese de fazer recuar o governo nos seus planos é através de uma articulação geral entre todas as escolas, da nossa luta comum .

"Mapa" de encerramentos para estes quatro anos de desgovernação desta maioria 'absoluta' (ditatorial) do P"S".

- Duas mil e quatrocentas escolas do 1º ciclo

- Quanto às Escolas de 2º e 3º ciclo e Secundárias, ninguém sabe ao certo.

É tudo mantido no "segredo dos deuses".

Mas já se sabe que - contrariamente às afirmações da Ministra à comunicação social - a "reestruturação" da rede escolar em Lisboa, não irá ser «pontual», vai implicar dezenas de milhares de alunos e talvez um milhar de funcionários, docentes e não docentes!

(Mas o que importam umas dezenas de milhares de alunos e suas respectivas famílias, mais uns milhares de funcionários e de professores e dependentes??? Nada, não é senão uma reestruturação "pontual" da rede...)

O que o governo faz :

- O que não estava nem nunca estará explícito no seu próprio programa!

- E caso lá esteja... é de ponderar se não irá fazer exactamente o contrário...

Bela "democracia"!

*Professor Efectivo do Ensino Secundário Público, do Quadro de Nomeação Definitiva da Escola D. João de Castro, desde 1987, Licenciado em Biologia pela F.C.L.

Coordenador nacional do Colectivo Português da FESAL-E

(Federação Europeia de Sindicalismo Alternativo - Educação)